e62 3229-2610 3224-9932
d

Notícias

Dexametasona reduz risco de morte em pacientes entubados, mas pode piorar quadro em casos inicias, alerta especialista

Publicado em : 17/06/2020

Fonte : Jornal Opção -

“É importante frisar que o estudo foi realizado em pacientes hospitalizados e não devem ser utilizados como profilaxia nem tratamento ambulatorial”, afirma

O diretor secretário do Conselho Regional de Farmácia do Estado de Goiás (CRF-GO), Daniel Jesus, falou ao Jornal Opção sobre os resultados preliminares do estudo clínico randomizado denominado Recovery, feito pela Universidade de Oxford, sobre o uso da dexametasona em pacientes hospitalizados com Covid-19.

O mestre em farmacologia e professor aponta que os resultados são promissores e já eram esperados, uma vez que não apenas a dexametasona, um anti-inflamatório utilizado por pacientes de asma e rinite, mas outros corticoides já vêm sendo utilizados de forma ampla no tratamento da Covid-19 em vários lugares do mundo, inclusive no Brasil.

Segundo o estudo, a medicação pode parar o colapso da imunidade dos pacientes graves ao reduzir o tamanho da resposta dos anticorpos ao novo vírus, uma das causas de morte identificadas. No entanto, em casos iniciais, o anti-inflamatório super potente pode ampliar a replicação viral, piorando não só a condição do paciente, como contribuindo para ampliar a pandemia.

No Recovery, avaliou-se a eficácia da dexametasona em relação à mortalidade. No estudo, 2.104 pacientes receberam dexametasona em doses baixas (6 mg uma vez ao dia via oral ou intravenosa) em comparação com 4.321 pacientes que receberam cuidados usuais (controle).

“Observou-se que o tratamento com esse medicamento reduziu em até um terço o risco de morte dos pacientes entubados usando respiradores mecânicos; e em um quinto para pessoas que estavam recebendo oxigênio suplementar por causa do coronavírus. Não houve diferença nos pacientes que não necessitavam de oxigênio”, explica Daniel.

De acordo com o representante do CRF-GO, esses achados sugerem o benefício do uso de dexametasona em doses baixas em pacientes que necessitem de ventilação mecânica bem como aquelas que necessitam de oxigênio sem ventilação mecânica. Ele ressalta que, dada a importância desses resultados para a saúde pública, os autores agora estão trabalhando para publicar todos os detalhes o mais rápido possível.

“Vale ressaltar que a dexametasona é um medicamento de baixo custo e foi a primeiro medicamento a mostrar impacto em reduzir a mortalidade, o que considero o mais importante. Mas é importante frisar que o estudo foi realizado em pacientes hospitalizados e não devem ser utilizados como profilaxia nem tratamento ambulatorial”, assegura.

Ele esclarece que na primeira fase mais infecciosa existe uma grande quantidade de vírus e o corpo tenta combater esse vírus. Depois, existe uma fase de super atividade imunológica e menos vírus. Aí que entra a dexametasona para diminuir essa resposta exagerada. “Faltam estudos sobre o uso prévio, mas por se tratar de uma droga com muitos efeitos colaterais, pode ser perigoso para pacientes com riscos”, esclarece.

Daniel Jesus pontua ainda que o uso da dexametasona não é novidade para quem acompanha de perto o tratamento da Covid-19, pois o medicamento e outros corticoides já azem parte do protocolo da maioria dos hospitais brasileiros. “A grande novidade é um trabalho comprovando que esse medicamento diminui a mortalidade, o uso já é recorrente”, afirma.

Já a diminuição no tempo de necessidade de entubação não foi avaliado neste estudo, mas foi verificado e avaliado em outro estudo. “Um trabalho que é tão bom quanto o atual traz essa prospecção. No estudo de Oxford o parâmetro adotado é a diminuição da mortalidade”, assinala ao alertar de que o uso do medicamento disponível em farmácia, fora do ambiente hospitalar, na fase inicial não seria indicado.

quarta-feira 17 junho 2020 11:30 - Por Lívia Barbosa -
 

Notícias

Coleção para o Dia dos Pais

09/07/2020

O Sincofarma-Go acaba de conseguir Liminar junto ao Tribunal de Justiça para excluir as Farmácias e Drogarias de Aparecida de Goiânia do escalonamento

08/07/2020 Assessoria Jurídica – SINCOFARMA/GO

Anvisa toma medidas para coibir sobrepreço de medicamentos

07/07/2020 Revista da Farmácia

LEI Nº 14.020, DE 6 DE JULHO DE 2020, que permite reduzir jornada de trabalho e salário

07/07/2020 Diário Oficial da União

O MANDADO DE SEG. COM PEDIDO DE LIMINAR PARA QUE AS FARMÁCIAS DE APARECIDA DE GOIÂNIA PUDESSEM ABRIR FOI NEGADO.

03/07/2020 Assessoria Jurídica – SINCOFARMA/GO

Portaria 1158/2020 - SES Que trata da prorrogação do Alvará Sanitário Estadual.

02/07/2020 Diário Oficial

Prefeitura de Aparecida de Goiânia aumenta dias em que comércio deve fechar durante escalonamento

01/07/2020 G1 GO

PORTARIA Nº 221/2020

01/07/2020 PREFEITURA DE GOIÂNIA
Estabelece novo prazo de validade para os Alvarás de Autorização Sanitária expedidos no ano de 2019 e extensão do prazo de pagamento para os Alvarás do ano de exercício 2020.

Prefeitura de Goiânia decreta fechamento alternado do comércio não essencial

01/07/2020 PREFEITURA DE GOIÂNIA

ATENÇÃO! VEJA OS PRAZOS PARA RENOVAÇÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO.

30/06/2020 Sincofarma-Go

EMPRESAS QUE POSSUEM ATENDIMENTO PRESENCIAL DEVEM AFERIR TEMPERATURA DOS CLIENTES.

29/06/2020 Assessoria Jurídica – SINCOFARMA/GO

Ministro indefere pedido de liminar para suspender reajuste de medicamentos

26/06/2020 Revista da Farmácia

Desembargador decide pela reabertura do comércio em Goiânia

23/06/2020 G1 GO

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DAS FARMÁCIAS E DROGARIAS VOLTOU AO NORMAL NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA.

23/06/2020 PREFEITURA DE GOIÂNIA

Liminar anula decreto do Paço que autoriza abertura do comércio em Goiânia nesta segunda-feira

22/06/2020
O pedido foi feito pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO)