e62 3229-2610 3224-9932
d

Notícias

Setor farmacêutico reage contra o possível fim do Farmácia Popular

Publicado em : 25/08/2020

Fonte : Redação Panorama Farmacêutico -

O setor farmacêutico observa com extrema preocupação a possível extinção do Farmácia Popular. O governo federal cogita acabar com o programa para viabilizar o novo Renda Brasil, que deverá ser anunciado ainda nesta semana. A decisão colocaria em risco o acesso de milhões de brasileiros a medicamentos de uso contínuo, contra doenças como asma, diabetes e hipertensão.

Farmácia Popular está em vigor desde 2004 e, mensalmente, atende cerca de 21 milhões de usuários. Desse total, cerca de 2/3 (14,2 milhões) utilizaram, entre janeiro e julho deste ano, as grandes redes de farmácia para obter medicamentos com descontos de até 90%. Segundo a Abrafarma, que representa o grande varejo e 45% das vendas de remédios no país, o movimento total chegou a R$ 457,5 milhões – índice 17% superior ao do mesmo período do ano passado.

Atualmente, 28 mil farmácias particulares participam do programa, contribuindo para cobrir as lacunas da rede pública na distribuição de remédios em 5.600 municípios brasileiros. “O Farmácia Popular é considerado, pelo próprio governo e por avaliações feitas em todo o Brasil, o mais bem-sucedido projeto de saúde pública do país. Sua extinção seria lamentável e comprometeria a adesão ao tratamento com medicamentos, o que geraria um custo ainda maior para os cofres brasileiros”, avalia Sergio Mena Barreto, CEO da Abrafarma.

Programa sob ameaça há anos

Em novembro de 2017, o governo já havia sinalizado a intenção de acabar com o programa, chegando a fechar 400 lojas da rede própria. No ano seguinte, cogitou reformular o modelo de pagamento para estabelecimentos particulares credenciados. “A farmácia popular pode ser aperfeiçoada e o setor farmacêutico está aberto ao debate. Mas simplesmente acabar com o programa, de forma unilateral, condenaria o país a conviver com doenças e tratamentos de saúde interrompidos”, comenta. “O programa corresponde a apenas 1,4% das nossas vendas, mas para a população carente, representa 100% de sua chance de tratamento. Para quem precisa dele, é a diferença entre viver e morrer”, adverte.

Notícias

Informações técnicas sobre termômetro infravermelho

15/09/2020 Ascom/Anvisa

Produção do ‘kit Covid’ dispara

14/09/2020 O Popular

NITAZOXANIDA e IVERMECTINA: ANVISA SUSPENDE RETENÇÃO DE RECEITA

02/09/2020 Sincofarma Goiás

ESTADO PRORROGA NOVAMENTE RENOVAÇÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO

01/09/2020 Sincofarma Goiás

Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais - LGPD. Afinal, quando entra em vigor?

01/09/2020 jurisBrasil

Farmácias de manipulação: perguntas e respostas

31/08/2020 Ascom/Anvisa

Em portaria, governo amplia setores que podem trabalhar aos domingos e feriados

31/08/2020 Revista Consultor Jurídico

Governo publica decreto que prorroga o prazo para suspensão de contratos e redução de jornadas para 180 dias

24/08/2020 Diário Oficial da União

Lei municipal que estabelece penalidades para o aumento abusivo de preços durante o período de pandemia

14/08/2020 Prefeitura de Goiânia

Benefício Consulta Médica Online.

13/08/2020 Benefício Social Familiar

-PORQUE PAGAR A CONTRIBUIÇÃO CONFEDERATIVA?-

10/08/2020 Sincofarma-Go

Farmácias de manipulação terão de pagar ISS e ICMS

07/08/2020 Panorama Farmacêutico

Defensoria Pública do Estado de Goiás, encaminha orientação as Drogarias e Farmácias a respeito de normas de trabalho

29/07/2020
Recomendação em anexo

ENTENDA A RDC Nº 405/2020

24/07/2020

Fechou a empresa, mas não deu baixa no CNPJ? Saiba o que pode acontecer!

23/07/2020 Jusbrasil